Custo de Vida e Economia

Custo de Vida e Economia

Custo de Vida

A Nova Zelândia é barata para uns e cara para outros, tudo depende se você ganha em Euros, Reais, ou outra moerda qualquer. Também vai depender do seu estilo de viagem e de quantas pessoas vivem juntas e ou dividem as despesas. O mínimo necessário por mês vivendo dignamente é de NZ$ 1600. Famílias com filhos necessitam de cerca de NZ$ 2000 por mês, e a base para Estudantes é de NZ$ 1250 por mês sem contar o custo do curso. Todos os valores apresentados acima são o básico do básico, com a corda enrolada no pescoço o tempo todo, e sem poder gastar em diversão. Para os que vão fazer simplesmente turismo, a menor quantia que se gasta por dia, é de algo em torno de NZ$ 40, isso andando a pé, se hospedando em albergue, e fazendo a própria comida todo o dia. Para turistas normais, que querem fazer passeios, se hospedar melhor tipo em Motéis, consumir um pouco na rua, o valor mínimo seria de NZ$ 150 por dia. Note que os valores apresentados acima e abaixo servem somente como base, pois podem variar enormemente de acordo com a cidade, o que o distinto fizer e o estilo de vida que levar, sendo que alguns preços são sensíveis às determinadas épocas do ano.

Economia na Nova Zelândia

A Nova Zelândia ocupa a vigésima posição mundial no quesito Produto Interno Bruto, com os Kiwis produzindo US$ 93 bilhões por ano, ou mais ou menos US$ 25.000 por cabeça. A Nova Zelândia o pessoal vive de muito trabalho, e à partir dos 15 anos muitos já estão trabalhando após a escola, e nos fins de semana, e assim vão até a idade de 65 anos quando se aposentam. A economia Kiwi sempre foi baseada em produtos de fazenda, como exportação de carne e lã de carneiro, bem como de derivados do leite, mas hoje a coisa mudou.

Mas nem só de pum de ovelha vive o Kiwi; A Nova Zelândia também exporta suculentos frutos do mar produzidos em fazendas marinhas, como mexilhão de casca verde. Tem também uma indústria de plantio para extração de madeira, que além de suprir o mercado interno para a construção de casas, também exporta. A fruta Kiwi, e os vinhos produzidos na Nova Zelândia são outros produtos muito bem aceitos no mercado mundial e que traz grandes benefícios econômicos para o país. Junte-se a isso e outros setores como o de plásticos e embalagens, de tecnologia, de comida, e mais recentemente o de Turismo e Estudo que vem atraíndo pessoas de todas as partes do mundo, inclusive brasileiros fortalecendo o mercado Kiwi e aumentando o reconhecimento mundial da qualidade do ensino e da hospitalidade.

Em contrapartida muitos produtos que a Nova Zelândia poderia produzir, mas sem perspectivas de exportar ou cujo mercado interno não justificaria a produção, ela os importa sem taxação, como é o caso da indústria automobilística. O país não produz um único veículo, e qualquer pessoa pode importar um do país que desejar com taxação zero. Importa-se até mesmo carros usados do Japão e Coréia, tudo com zero de imposto, bastando efetuar o registro e emplacamento. A quantidade de produtos sem taxas para importação é bastante grande e o processo é simples com pouca burocracia. Eles preferem ao invés de tentar produzir diversos produtos com pouco mercado, se concentrar nos que produzem bem para exportar bastante.

O setor imobiliário é a mola mestra da economia, com 2/3 da população donos de sua própria casa, e empregando um batalhão de Kiwis. Recentemente, o setor teve um Boom, com valorizações de até 60% ao ano de um imóvel bem localizado. As baixas taxas de juros de não mais de 4.5 % ao ano, permitem investimentos seguros e lucrativos. A inflação de 2.4% ao ano faz com que o trabalhador não tenha perdas salariais significativas garantindo a estabilidade de preços. Ultimamente diversos novos negócios e programas foram lançados, para atrair cada vez mais capital ao país. Um deles é a oferta de cursos de Inglês, cursos Terciários Técnicos e Universitários além do segundo grau. Esse mercado que já é a oitava maior fonte de renda da Austrália, agora também foi reimplantado na Nova Zelândia, com regalias, incluindo o direito de trabalhar legalmente part-time. O dinheiro que entra através dos estudantes, representa milhões de dólares na balança anual, e emprega muitas pessoas com trabalho especializado, não só no setor de ensino, mas também no de acomodação, comida, e serviços. Os parentes desses estudantes acabam por vir visita-los, trazendo ainda mais divisas para o país e para o setor de turismo.

A Economia da Nova Zelândia não cresce sozinha. O governo tem uma imensa participação, com programas ultra bem definidos e orquestrados para ajudar efetivamente aqueles que produzem. No setor de exportação, só faltam te levar pela mão até o comprador, fazendo tudo o que é necessário para quem nunca exportou na vida, seja pequeno ou grande, possa ter seu produto no exterior. No setor de turismo, o governo provou que trabalhando em conjunto, ao invés de competir, traz grandes benefícios para todos. Não há quem não repare ao escolher um determinado tour, que a impressão que dá é que todo mundo do setor trabalha para uma única empresa, tal o grau de colaboração no setor. O Kiwi Dollar está bem mais barato que o Euro, que o Dollar americano, e outras moedas, e isso faz dos preços na Nova Zelândia um atrativo, não somente para o turismo, produtos e serviços, mas também para a exportação. A Nova Zelândia tem feito diversos acordos de livre mercado Internacional, sendo com a Austrália e Singapura os principais, mas que passo a passo abrangendo outros países. Apesar da sina Kiwi de achar que o jardim do vizinho e sempre mais verde que o deles, a verdade é que o produto Kiwi é cada vez mais difundido no exterior, sendo esse website uma prova disso.