Auckland

Auckland

Poucos lugares no mundo, oferecem tanta tranquilidade e segurança para se morar, viajar, ou estudar, como a Nova Zelândia. Com pouco mais de 4 milhões habitantes, o país tem cerca de 2000 km de comprimento por 400 km em sua parte mais larga, formando uma tira comprida abrangendo 2 ilhas, a do Norte e a do Sul. O Oceano Pacífico banha a parte Norte e Leste, e o Mar da Tasmânia o lado Oeste. Uma das mais interessantes características da Nova Zelândia, é que a paisagem vai mudando dramaticamente na medida que se viaja para o Sul. A cada 200 ou 300 Km, o visual muda completamente, como por exemplo, de vegetação de praia para floresta, ou de terreno plano para Alpino, ou ainda, áreas com extensa atividade vulcânica. Some-se a isso a excelente infra-estrutura e você entenderá porque a Nova Zelândia é considerada um dos países que oferece a população uma das melhores qualidade de vida no mundo.

A Ilha do Norte concentra mais de dois terços da população da NZ, sendo que a cidade de Auckland sozinha, abriga quase metade, ou cerca de 1 milhão e meio de habitantes. Wellington, no extremo Sul da ilha do Norte, além de ser a Capital, é a segunda maior cidade, com aproximadamente 600 mil pessoas. Hamilton, é a terceira maior, com cerca de 150 mil. Tauranga na Bay of Plenty é a quarta, com 80 mil. As demais cidades na ilha do Norte são pequenas, em sua maioria com 30 a 40 mil habitantes, ou menos. Além de muito hospitaleiras, são como tesouros escondidos, guardando surpresas espetaculares para os visitantes. A Ilha do Norte com exceção dos Alpes perto de Taupo, e em algumas regiões no sudeste, dificilmente neva durante o inverno, o que garante estradas desimpedidas durante esse período. No verão, praias de águas cristalinas e com temperatura menos aterrorizante do que outras épocas do ano, garantem paisagens maravilhosas e muita ação, para banhistas, mergulhadores ou surfistas. Cidades como Rotorua, Taupo, angarei, Hamilton, Tauranga, Gisborne e Napier, contam com centenas de atrativos diferentes para todos os tipos de turista e para cada tamanho de bolso. Regiões como a Northland e a Eastland, são lugares mais isolados e dentre os mais bonitos.

A Ilha do Sul tem menos população principalmente devido ao clima mais frio e às cordilheiras de montanhas íngremes. Estas fazem da Ilha do Sul um dos melhores e mais bonitos lugares do mundo para se praticar esportes radicais. Christchurch é a maior cidade, e Dunedin a segunda, concentrando uma boa quantidade de estudantes Universitários. Queenstown é considerada a capital mundial dos esportes radicais, e cidades menores como Picton, Nelson, Kaikoura, e algumas outras menores ainda, como Greymouth, Te Anau ou Picton, que guardam paisagens inesquecíveis, além de vida tranquila e pacata. Os Alpes, que se estendem numa linha reta e comprida por quase toda a extensão da Ilha do Sul, podem ser vistos de quase todos os lugares em que se estiver. Além da imponência das montanhas, lagos belíssimos, escarpas, glaciais, e um mundo de paisagens como na Fiordland, tiram o fôlego de qualquer mortal. Existem tantos lugares bonitos na Ilha do Sul, que não é difícil sentar-se à beira de uma estrada e ficar literalmente horas apreciando a paisagem.

Auckland

Auckland é grande, comparado com as outras cidades. O Centro nem tanto, mas se levar em consideração os subúrbios e o outro lado da ponte, a área visível de cima da torre é de se perder de vista. A cidade concentra um terço da população da Nova Zelândia, e não é a capital do país, pois por algum motivo os políticos preferiram Wellington. Auckland é ultra multicultural, repleta de imigrantes da Ásia, Ilhas do Pacífico, Índia, e muitas outras partes do planeta. Essa mistura se faz sentir nos quatro cantos da cidade, e é refletida em quase tudo o que se faz, desde no táxi, onde a maioria dos motoristas são imigrantes, até na comida, diversão, e cursos. Não se espante em escutar 30 idiomas diferentes pelas ruas, ou até mesmo ser servido por algumas pessoas que nem Inglês direito falam. Na comida, o visitante irá se deparar com pratos de todas as nacionalidades, e comer coisas que às vezes não se tem a menor idéia do que é. Na verdade, essa diversidade cultural faz de Auckland uma das cidades mais interessantes e vibrantes da Oceania.

Vai um vulcãozinho aí ? Pois é tem mais de 50 vulcões pela cidade, todos dormindo um sono profundo. Auckland literalmente bóia em cima de lava, à alguns quilômetros de profundidade. A grande disputa entre a placa do Pacífico e a da Austrália, move Auckland para o Norte 60 milímetros por ano. De qualquer forma pode ficar despreocupado, já faz mais de 600 anos que nada de pirotécnico ou de estremecer acontece por lá. Na história, a briga ficou feia entre Maori x Maori, e muito tempo depois entre Maori x Colonizador, tudo pela posse da imensa terra fértil e plana das imediações (ninguém queria ficar com os morrinhos e correr o risco de ver Auckland do espaço). Um dos mais fantásticos de todos os vulcões de Auckland, é a Ilha de Rangitoto, onde uma trilha leva até a beira da cratera, e de lá avista-se boa parte da cidade e da baía. Muito bonito e interessante, mas também bastante cansativo.

A cidade de Auckland tem de tudo para todos, com excelente estrutura tanto para turistas quanto para moradores locais. Restaurantes, Bares, Boates, abundam no centro, e garantem boa comida, diversão e vida social intensa. Din Din é a palavra-chave em Auckland, onde os mais abonados poderão se esbaldar em Shoppings, Lojas de Grifes, e Loja de Souvenir. Os contidos encontrarão nas lojas de NZD 2,00 e na Warehouse, barganhas incríveis que fazem a alegria da galera Latina. Aluguéis, Hotéis, e o custo de vida em geral, são mais caros que em outras cidades da Nova Zelândia, e quanto mais perto do centro for, mas caro vai pagar. O centrão é em formato de retângulo, e tem seu início a beira mar com o Porto de Auckland, onde as lanchas e catamarãs fazem o transporte público de um lado ao outro da baía. Do Victoria Building saem barcos para Devenport que fica no lado oposto, e também para as ilhas Waiheke, Rangitoto e Great Barrier. Vale a pena visitar e passar o dia nessas ilhas, pois além de lindas, o preço da passagem não mata ninguém de bolsite aguda.

Para quem está chegando em Auckland pela primeira vez, nossa sugestão é subir a Torre do Sky Tower, para ter uma visão global da cidade. A Torre fica no centro, e claro, sobe-se os 328 metros de elevador panorâmico. Lá em cima, dá pra ver em 360º até onde sua miopia lhe deixar. Se desejar (e quiser pagar mais), pode subir mais um lance para o observatório para ver ainda melhor. Só escolha dias bonitos para subir, porque nuvens e neblina também adoram o lugar, e o custo não é grátis. Caso o maravilhado turista se sinta cansado do elevador, pode descer pulando da torre pelo lado de fora, num arrepiante Bungy Jump. Em baixo funciona o Sky Casino, onde com exceção do Jogo do Bicho, todos os outros tipos de jogatina rolam. Lá, o arriscado turista poderá fazer sua fézinha em Roletas, Black Jacks, Máquinas de Poker, Loto, nos Cavalos, e até mesmo em Corridas de Cachorro.

Não se pode falar de Auckland sem falar da, ou Cidade das Velas. Os Neo-Zelandeses adoram velejar, e não é pra menos, a baía recebe ventos perfeitos para os adeptos do esporte, incluindo Wind surfistas. As estatísticas dizem que em cada dez kiwis, quatro possuem uma embarcação de qualquer tamanho, mesmo que seja uma canoa ou qualquer treco que bóie. A ligação do Aucklander com o mar, é algo pra Capitão Cook nenhum botar defeito. Várias regatas acontecem com regularidade, além de se encontrar famílias inteiras em barcos no fim de semana. Algumas levam até os gatos de casa, que vão na proa da embarcação na esperança de um saltitante pescado. Quando a Nova Zelândia bateu os Americanos na Regata da America’s Cup, a cidade de Auckland literalmente parou. Foi um carnaval que durou vários dias, e por acaso eu estava por lá. Infelizmente Sir Peter Blake, o vencedor com o Team New Zealand, foi assassinado no Brasil, no delta do Amazonas, ao tentar resistir a um assalto em seu barco.

Auckland é que se concentra a maior oferta de empregos em toda a Nova Zelândia. As maiores empresas e escritórios ficam no centro, enquanto as áreas industriais ficam na periferia. Os subúrbios abrigam grande parte da população que em sua maioria mora em casas. Para os que desejam estudar em Auckland, a cidade oferece uma gama enorme de cursos, desde Inglês até Pós Graduação com variedade e de excelente qualidade. Em Auckland fica a maior universidade da NZ e que tem o maior número de alunos University of Auckland. Com relação ao que fazer e turismo, seu bolso será o limite, tal o número de ofertas e tours contemplativos ou radicais para todas as idades. Festeiros de várias tribos, irão descobrir que a cidade dorme cedo, mas sempre tem alguma coisa acontecendo. Já os Surfistas ficarão desapontados, porque Auckland não tem onda, mas viajando-se para oeste (20 km) fica Piha, e Bethell’s Beach é a melhor opção além de Reglan. Como disse antes, Auckland é uma das cidades mais legais e mais bem estruturadas da Nova Zelândia, fácil de se locomover, limpa, e bastante segura, tanto de dia quanto de noite. Se for a turismo, separe pelo menos 3 dias para conhecer bem a cidade e imediações.

Se você quer saber mais sobre as outras cidades aqui da Nova Zelândia, leia aqui.

Comments are closed.