Alimentação

Alimentação

Comida na Nova Zelândia

Há alguns anos, a comida na Nova Zelândia era das mais limitadas do mundo, “Flat”; ou sem sabor, sem elaborações complicadas. Não haviam opções, e tudo se baseava no estilo Inglês da Carne com 3 vegetais, ou então no peixe frito com batata frita. Temperos como o alho, cebola, e ervas, eram coisas suspeitas de se usar, e só o alecrim e a menta, entravam no prato por fazer parte da tradicional culinária. O sal é praticamente zero ou imperceptível, afinal, sempre foi assim que mamãe e vovó cozinhavam, e assim é que deve permanecer. Existia um certo medo de experimentar culinárias diferentes, um sentimento de que se experimentarem, a própria identidade Kiwi estaria em risco. A coisa vai mais além do gostar ou não, e tem a ver com a inabalável segurança Kiwi, onde qualquer mudança, pode representar uma ameaça.

Até 1980, se em um determinado momento parássemos o país na hora do jantar, provavelmente 80% da população estaria comendo o mesmo prato. Carne com 3 vegetais. Ao liberarem a imigração asiática, as coisas começaram a mudar, mesmo assim há 15 anos atrás, era muito difícil de encontrar uma lasanha, macarrão, ou arroz no mercado. Se encontrasse, eram produtos de pacote com baixíssima qualidade, nada de produtos frescos, massas caseiras, arroz parabolizado, ou para risotos. Pão francês, bisnagas, pães Italianos, broas de milho, pães recheados, nada disso passava pelo pensamento de qualquer padeiro, afinal, quem iria comprar? O pão de forma sempre imperou, e o de hambúrger e cachorro quente, só eram consumidos em fast food americanas. A maioria da população Kiwi ainda se encontra engatinhando em termos de novidades culinárias, pois a Nova Zelândia cresceu em cima de fazendas, e o que se come em uma fazenda? Carne de Ovelha e Galinha, de preferência assados no forno de lenha, com vegetais cozidos e de preferência no café da manhã, ao invés do jantar. No jantar comia-se as sobras do café da manhã. Esses eram os hábitos de antigamente. Hoje a coisa mudou nas grandes cidades, apesar de muitos moradores de áreas rurais ainda manterem esses hábitos.

Além dos imigrantes, um dos fatores que contribuiu tremendamente para uma mudança alimentar kiwi, foi a necessidade de se exportar. Os produtos da Nova Zelândia são reconhecidos no mundo inteiro pela alta qualidade, mas não adianta fabricar produtos nota 10, para serem consumidos por um punhado de pessoas. A necessidade de exportar, e sair do restrito mercado interno, não só mudou a economia, como fez com que se usasse toda a criatividade para atingir os objetivos. Uma delas foi a fruta Kiwi que foi importada da China, e se adaptou muito bem na Ilha do Norte. O nome dela era Chineseberry, e em plena guerra fria contra o comunismo, esse nome não tinha nada de apelativo para o mercado americano. Pensaram então em mudar para Kiwiberry, mas berry está mais prá cereja do que fruta, então vieram com Kiwifruit. Outros produtos que nunca eram consumidos pelos Neo-Zelandeses, passaram à ser fabricados no país de olho no mercado externo. A Mozarela, o Queijo Parmezon, e até o Suíço, passaram a ser encontrados nas prateleiras de supermercados. Arroz, importado da Ásia e Indonésia, passou a ser consumido pelos imigrantes, que adicionavam seus temperos típicos na comida. Não demorou muito para que esses temperos também passassem a ser fabricados na Nova Zelândia. Frutas tropicais, como banana, mamão, manga, laranja, e outras mais, passaram a ser importados de diversos países da Oceania e da Ásia, e por isso são caros, mas agora pelo menos estão disponíveis.

Hoje nas maiores da Nova Zelândia, você vai encontrar quase tudo para cozinhar pratos variados e exóticos. Milhares de Restaurantes, Cafés, Take Aways e praças de Shoppings, oferecem uma gama enorme de comida de todos os sabores e origens. É comida Indiana, da Malásia, de Bali, do Japão, Chinesa, Coreana, Vietnamita, Italiana, Grega, enfim, do mundo todo. Por causa dessa variedade, os imigrantes adotaram um sistema de tirar fotos dos pratos, pois assim fica mais fácil de escolher o que se vai comer. O preço da comida, tanto na rua como nos supermercados, nunca esteve tão cara, e há alguns anos atrás, a comida na Nova Zelândia era bem mais barata que na Austrália. Hoje os preços se equiparam, mas os australianos ganham proporcionalmente mais que os Neo-Zelandeses, ou seja, a comida na Nova Zelândia está mais cara. Ainda faltam muitos produtos, principalmente das culinárias Portuguesa e Brasileira, mas sempre se dá um jeitinho recorrendo aos produtos asiáticos e chineses. Basta ter criatividade e procurar no lugar certo que vai encontrar muita coisa, incluindo polvilho para fazer pão de queijo, feijão preto, marrom, bacalhau, etc.